Cuiabana presa na Síria é detida ao tentar impedir prisão de namorado

A ex-funcionária da Associação Mato-Grossense dos Municípios (AMM), Juliana Aline Oliveira da Cruz, de 25 anos, e o companheiro Weslen Carvalho da Silva, de 24 anos, foram presos na noite de domingo (2), no bairro Distrito Industrial, em Cuiabá. O motorista foi flagrado dirigindo embriagado e a jovem tentou impedir a prisão do rapaz.

0 9

Juliana é conhecida das forças policiais. Em 14 novembro de 2017, a ex-auxiliar administrativa conheceu uma família da Síria pela internet e foi para a Ásia. Ao chegar no país, ela foi presa com um homem que a recebeu. Este rapaz seria um rebelde opositor ao Governo. Em razão de estar junto dele, Juliana também foi detida. Ela foi liberada após 21 dias de negociações entre a embaixada brasileira em Damasco, capital da Síria, e o governo local. A Polícia Federal também participou dos trabalhos.

Praticamente um ano após o fato, Juliana voltou a se envolver em confusão. A prisão da ex-funcionária da AMM aconteceu quando policiais militares da região foram até o local para atender uma denúncia de tiros na Lagoa Trevisan, em Cuiabá. Quando os agentes chegaram ao endereço, visualizaram um veículo Saveiro em atitude suspeita.

Diante disso, os agentes deram ordem de parada ao motorista, porém Weslen não obedeceu e fugiu pela Rodovia dos Imigrantes. Os policiais realizaram o acompanhamento e  equanto o Saveiro tentava fugir pelo bairro Distrito Industrial.

Porém, durante a perseguição, Weslen perdeu o controle da direção e bateu em um barranco. Após a batida, o suspeito e Juliana sairam do carro e fugiram a pé. Os agentes alcançaram o suspeito e o algemaram após resistência. Ao ser questionado, ele afirmou que estava bêbado, mas não quis se submeter ao teste do bafômetro.

Já a suspeita que havia fugido, se aproximou e tentou impedir a prisão de Weslen. No entanto, os policiais reagiram e a algemaram. Logo depois, o casal foi encaminhado à Central de Flagrantes para prestar depoimento ao delegado de plantão.

Ainda durante a ação policial, uma viatura da PM bateu em um veículo Toyota Etios que estava no acostamento. Ambos os veículos ficaram danificados, mas ninguém se feriu.

Confusão no exterior

Juliana conheceu o sírio durante uma campanha de arrecadação de fundos para refugiados e soldados daquele país, pela internet. Ele a convidou convidou para passar 15 dias na Ásia.

Presa, a ex-funcionária não conseguiu contato com os familiares, o que gerou preocupação por parte dos parentes da mulher. Diante disso, um boletim de ocorrência foi registrado pela famíli, já que a jovem não retornou para o Brasil, como prometido.

Depois de três dias sem conseguir contato com a filha, a mãe de Juliana acionou a Polícia Federal em Mato Grosso, mas foi informada que ainda era muito cedo para a abertura de uma investigação. Buscou então a ajuda do Itamaraty e da embaixada brasileira na Síria.

Ela foi liberada após 21 dias depois de negociações da embaixada brasileira em Damasco. Ela saiu de Damasco, na manhã de quarta-feira (6), rumo ao Brasil. Juliana chegou a Capital mato-grossense às 7h20min, em um voo da Avianca saindo do Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP).

Fonte HipetNotícias

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.